Páginas

27 de janeiro de 2013

XVIII

"Quem me dera que eu fosse o pó da estrada
E que os pés dos pobres me estivessem pisando...

Quem me dera que eu fosse os rios que correm
E que as ladeiras estivessem à minha beira...

Quem me dera que eu fosse os choupos à margem do rio
E tivesse só o céu por cima e a água por baixo...

Quem me dera que eu fosse o burro do moleiro
E que ele me batesse e me estimasse...

Antes isso que ser o que atravessa a vida
Olhando para trás de si tendo pena..."


Poemas Completos de Alberto Caeiro

Um comentário:

  1. quem me dera eu fosse o feito de seu querer, quem me dera eu fosse o pó da magia toda do universo pra entregar o meu sentir e o meu pensar.. minha lírica é diversa, meu ópio é variado, meu ócio é produtivo, meu lascio é imaginário, me mostro o que eu sou, e foge do que é bom, me descubro a cada dia, as vezes gosto as vezes não, liberto cada faceta num tiro! o mundo é complexo, não quero ser, já me percom na minha própria simplicidade particular, é simples porque eu penso que é, e é pra mim, e me solto da base ou com um refrão, e canto, bem muito, canto, louvo, rodo, ando, queimo, fico, e foco, mas não me perco porque eu sei quem eu descobrí que sou. me aprazia tua complexidade, me amarrava ao que me sobrava de mim, mas não me tendo assim, me perco, por não ter que descobrir o que eu sou, se isso já está parado aí.
    nunca fui de tentar entender, só o momento me faz saber o que posso ser, eterno ator, de espírito flúido, se recorda que quando o sentimento era novo, tudo é cor, e que volta a cor que a saudade pensa. arrebatadoras cores, e não tem pra quem falar, e pra que falar, já é tudo tão assim.. exposto o que sou finjo que gosto, passo por cima e logo estou em outra vida. eterno ator. me jogo e me volto arrebentado, mas a adrenalina do pulo é o que me faz jogar denovo. acho que estou ficando velho pra isso porque todos os espelhos das verdades e todos os vórtices de caldeirões da bruxa estão me fazendo virar. e eu só posso surfar, é a única morte que me faz feliz, o que me volta aos planos, nada faz sentido mesmo, pra onde posso entrar e me sentir eu? por onde posso andar e me sentir feliz? por onde posso passar e abrir a guarda e dar bom dia ao mundo e ao cachorro, se eu ando 2metros e o mendigo jogado não me deixa ver a árvore florida? me passa na cabeça a loucura de tudo isso. só queria compartilhar com alguém que valesse a pena.

    ResponderExcluir

Comentem =)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...